Pesquisar este blog

8 de maio de 2011

Luz

Numa noite escura, vi uma luz longe de mim, mas reluzente de uma forma que não deixou de chamar-me a atenção. Essa luz brilhava de um jeito tão puro e claro que me trazia alegria e felicidade como se eu estivesse realizando um sonho ao lado de quem eu mais amo. Ela me fazia pensar na bondade da amizade, na saudade do tempo perdido e dos entes queridos, nas partes boas da vida - tudo aquilo que no cotidiano não consigo pensar/notar. Pensei depois que ela poderia ser o meu inconciente ou a minha conciencia dizendo que eu fazia a vida muito dura sem motivos, porém a luz era muito real paraestar "dentro" de mim. Eu fixei o meu desejo em chegar perti dela a fim de guardar esse momento para que quando estivesse triste, lembrasse dela e passasse. Fui andando a encontro da luz, tinha o objetivo e só descansaria após alcansa-ló. Quando cheguei proximo a ela, identifiquei que essa luz não tinha "motivos" para estar acesa, já que não havia fios, velas ou qualquer outra coisa para origina-lá. Tentei pega-lá para colocar em meu bolso como se estivesse desesperado e necessitando muito da luz, porém quando chegue a encostar nela, ouvi um barulho parecido ao meu celular tocando, não atendi, pense, depois eu explico e a pessoa vai entender, deixei tocando. Após isso, quando já estava com a luz em mãos, ouvi uma voz femenina chamando o meu nome, parecia a da minha mãe. A voz se aproximava, até que eu olhei para o lado e vi que realmente era minha mae, que disse:
-Acorda! Você esta atrasado para ir trabalhar. Não ouviu o celular tocar?