Pesquisar este blog

24 de janeiro de 2011

Palavras minha sobre a verdade

Não. Não há como eu saber que é realmente verdade. Só posso afirmar quando tenho certeza; vai que eu estou errado? Prefiro não correr o risco, me certifico antes. Mas como dizer uma verdade pela metade se não existe o meio termo para coisas como a mentira/verdade. Ou é verdade, ou é mentira.
A vida é confusa. As vezes não sabemos o que fazer, mas o mais correto é não correr o risco. Tire a prova; isso é muito melhor. Se precipitar traz dores de cabeça que são melhores não ter. Prefira a certeza.
Sobre as coisas que eu não conheço, não falo. Estudo, descubro e depois abro a boca.


Assim vivo feliz.

13 de janeiro de 2011

Minha opinião sobre as enchentes...

As vezes é bom sentir a água cair na sua cabeça e descer pelo corpo. A melhor parte do meu dia é o banho; sinto minha alma lava, renovada, limpa, pronta para um o descanso e após, um novo dia.
A chuva traz um ar de pureza, de terra limpa, mas imagina sentir esse ar todo dia?!
Quando gosto, eu gosto, não quero saber o que é certo ou errado, quero ser feliz; mas como ser feliz se o que eu mais gosta esta tentando me matar? Talvez seja culpa do governo, ou então da população que não soube cuidar do próprio chão, mas eu não morava aqui, não deveria sofrer pela "divertida" agressão ao meio-ambiente que os meu antecedentes fizeram.
A humanidade tem muitos defeitos, mas o que eu mais acho injusto é todos pensarem em si e nunca no próximo. Sofremos hoje o desperdício de antes; o aquecimento de hoje é reflexo do ontem, o ontem que eu não vivi. Pode ate ser egoísmo meu não querer sofrer pelo erro dos outros, mas eu sempre sofri pelos meus.